Disse “lockdown”?

[Província da Bélgica–França–Suíça]  Esta palavra, falada inúmeras vezes em todo o mundo desde o início deste ano e experimentada por igual número de pessoas, tem causado aflição física, sociológica, psicológica, económica, bem como várias adversidades; o seu alcance irá desdobrar-se nos meses seguintes. No entanto, trouxe também uma excepcional efusão de generosidade, tanto espiritual como corporalmente. Por um breve momento, vamos “virar a medalha” (uma das famosas expressões de São Vicente de Paulo) e ousemos ver o “encerramento” com os corações cheios de esperança…

Os trabalhadores da saúde que serviram na linha da frente da batalha foram entusiasticamente encorajados por pessoas em numerosas cidades em França: todas as noites às oito horas, aplausos, ruídos alegres e sons de instrumentos improvisados que ressoaram em ruas inteiras expressaram apoio e solidariedade e demonstraram apreço pelo profissionalismo e dedicação dos trabalhadores médicos. Mais concretamente, comida, refeições e presentes foram-lhes trazidos; o cuidado com os seus filhos foi organizado para aliviar as exigências do seu trabalho.

Recordamos aqueles cujos trabalhos provaram ser essenciais para a sobrevivência dos outros: caixas, padeiros, catadores de lixo… e nunca deixaram de trabalhar.

Também foram organizados momentos de relaxamento para manter a moral. De facto, viver num apartamento ou ter um jardim não dá a impressão de um encerramento. Alguns foram criativos, desde varandas ou telhados, animaram jogos, cantaram músicas populares ou tocaram canções religiosas e seculares escritas especialmente para a ocasião que convidava outros a dançar; uma lufada de ar fresco antes de voltar para dentro das quatro paredes…

Aos vulneráveis e isolados foi dada atenção através da iniciativa de pessoas individuais, associações, paróquias, escolas…: compras, telefonemas, cartas, refeições, contato com os serviços sociais; trabalhadores da saúde, estudantes do seminário, e os jovens confinaram-se voluntariamente durante várias semanas para servir pessoas mais velhas em algumas instituições e para evitar infecções.

Os prisioneiros não foram esquecidos: um número gratuito tornou possível ouvi-los 24 horas por dia.

A Diocese de Paris em colaboração com a Câmara Municipal da capital e a participação de mais de 500 voluntários distribuíram pacotes de almoço para os sem abrigo, 7 dias por semana; mais de 1.400 refeições embaladas foram preparadas diariamente através dos esforços de uma escola de segunda mão de renome em Paris.

Muitos senhorios adiaram o pagamento dos alugueres dos seus inquilinos e até cancelaram as taxas de arrendamento de estabelecimentos comerciais…

Mas, “as pessoas não vivem só de pão” !!!! As igrejas permaneceram abertas para que aqueles que saem para comprar bens de primeira necessidade pudessem fazer uma visita curta no tempo permitido.

Todos os meios técnicos de comunicação foram aproveitados para trazer alimento espiritual: a Eucaristia que é transmitida em directo, todo o tipo de orações: louvor, terço, adoração ao Santíssimo Sacramento, estações da Cruz, retiros… Para a festa da Anunciação (25 de Março último), velas foram acesas e colocadas em janelas e sinos de igreja tocaram por toda a França!

No pós-lockdown, continuaremos a difundir esta criatividade, este empenho, este zelo, esta fé, esta capacidade de cuidar dos outros?

Views: 627