“O Espírito Santo: amor do Pai e do Filho”

O Espírito Santo, amor do Pai e do Filho, enche a terra. Jesus não nos deixou órfãos. Certamente que a luta entre o bem e o mal continua, pois “o Reino de Deus sofre violência”. No mundo, continua existindo o ódio e a guerra, a injustiça e a opressão.

holy-spirit-saint-peter-basilica-romeMas, um Espírito de amor e de liberdade nos foi dado. Bastaria deixá-lo agir e colaborar com sua ação transformadora. Quando isto ocorre, aparecem os sinais do Reino: uma cultura de solidariedade, de reconciliação e de vida frente ao egoísmo, ao ódio e à morte. Vem, Espírito Santo, e renova a face da terra!

Necessitamos da presença transformadora do Espírito Santo na Igreja. Só Ele pode conseguir que a comunidade de Jesus creia, em tempos de descrença; que espere contra toda esperança, em tempos de desânimo; que ame, em tempos de divisão e de falta de solidariedade. Necessitamos do Espírito Santo para que nos conduza à verdade plena, à unidade na diversidade, à liberdade frente às estruturas pesadas e insuportáveis. Necessitamos do Espírito Santo como vento e fogo de Pentecostes para que nos traga a coragem apostólica, dissipe os temores e desilusões e nos lance, com novo ardor, na missão evangelizadora. Vem, Espírito Santo, e renova a face da Igreja!

1 BluecariNecessitamos da força transformadora do Espírito Santo na Companhia. (…) A Companhia necessita da presença do Espírito Santo e de seus dons de sabedoria e conselho para, concretamente, discernir os sinais dos tempos.

Santa Luísa pedia que a Companhia “fosse dependente do Espírito Santo” (C. 17c). Depender do Espírito Santo significa deixar-se guiar pelos critérios de Jesus e não pelos do mundo, permitir que Ele gere em nós as atitudes de discernimento evangélico e de conversão contínua aos valores do carisma vicentino.

A Companhia necessita da presença transformadora do Espírito que, como vento forte, a oriente e empurre pelo caminho que Ele quer.

Necessitamos da luz e da força do Espírito para torná-lo realidade em cada cultura e em cada obra. Por isso o invocamos: “Vem, Espírito Santo, nós nos abrimos à tua presença, renova a Companhia e faz dela um testemunho do amor de Deus entre os Pobres!”.

Pe. Fernando Quintano, CM

(Ecos da Companhia – janeiro de 1998)