Lembrar dos pobres: …“Laudato Si” através do olhar de uma Filha da Caridade

A recente encíclica do Papa Francisco é muito significativa para uma Filha da Caridade e para aqueles que compartilham o Carisma de São Vicente e Santa Luísa. Vamos refletir sobre alguns dos seus pontos através do olhar de uma Filha da Caridade.

Nós lemos nos Estatutos das Filhas da Caridade:

“Convictas de que os bens da terra formam um patrimônio comum, favorecem o uso responsável das fontes naturais e a distribuição equitativa dos bens” (E 8d).

WealthandPoverty_2_500pxNa encíclica:

“O meio ambiente é um bem coletivo, patrimônio de toda a humanidade e responsabilidade de todos” (95). Neste mesmo parágrafo, o Papa cita os bispos da Nova Zelândia que nos lembram que “uns vinte por cento da população mundial consomem recursos numa medida tal que roubam às nações pobres, e às gerações futuras, aquilo de que necessitam para sobreviver”.

Os Estatutos das Filhas da Caridade novamente nos convocam a sermos conscientes de como usamos os bens e recursos da terra:

hands-around-earth“As Irmãs fazem frequentemente uma revisão pessoal e comunitária sobre o uso dos bens e recursos da terra, seu estilo de vida e seus deveres de justiça e de caridade para discernir suas verdadeiras necessidades. É um meio de conservar o espírito e a prática da pobreza” (E. 16a).

Estes escritos levam-me a refletir sobre esta questão: De que maneira eu posso viver a fim de que o meu uso dos bens da terra não roube dos pobres o que eles precisam para sobrevier?

O Papa Francisco fala de maneira simples e forte, lembrando-nos que estamos todos juntos neste planeta; que precisamos cuidar uns dos outros, especialmente dos mais desfavorecidos entre nós. Sua grande preocupação com os pobres é muito evidente:

“A relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo” (16).

Burundi (1)“Este mundo tem uma grave dívida social para com os pobres que não têm acesso à água potável, porque isto é negar-lhes o direito à vida radicado na sua dignidade inalienável” (30).

“Tanto a experiência comum da vida cotidiana como a investigação científica demonstram que os efeitos mais graves de todas as agressões ambientais recaem sobre as pessoas mais pobres” (48).

“Quando, na própria realidade, não se reconhece a importância de um pobre, de um embrião humano, de uma pessoa com deficiência – só para dar alguns exemplos –, dificilmente se saberá escutar os gritos da própria natureza. Tudo está interligado” (117).

A tradição Vicentina é muito clara em seu compromisso com a dignidade de cada pessoa, não importa sua situação de vida:

“Deus mandou a cada um cuidar do seu próximo e nós, como membros do mesmo corpo místico, devemos ajudar-nos uns aos outros” (Regras Comuns da Congregação da Missão, capítulo II, 17).

Tanzania_13641511“Tendes uma vocação que vos obriga a assistir indistintamente toda classe de pessoas sejam homens, mulheres ou crianças e, em geral, todos os pobres que necessitarem de vós” (SV Conf. 6/01/1658).

O Papa Francisco nos chama a nada menos:

“Hoje, não podemos deixar de reconhecer que uma verdadeira abordagem ecológica sempre se torna uma abordagem social, que deve integrar a justiça nos debates sobre o meio ambiente, para ouvir tanto o clamor da terra como o clamor dos pobres” (49).

“Toda a abordagem ecológica deve integrar uma perspectiva social que tenha em conta os direitos fundamentais dos mais desfavorecidos” (93).

“O rico e o pobre têm igual dignidade” (94).

Novamente, sinto-me questionada: Como o meu estilo de vida reflete minha convicção da igualdade entre ricos e pobres?

As Constituições nos dizem:

“As Filhas da Caridade preocupam-se constantemente com a promoção integral de todas as pessoas. Por isto colocam-se à escuta de seus irmãos e irmãs para ajudá-los a tomar consciência de sua própria dignidade e a tornarem-se agentes de sua própria promoção. (…) Comprometem-se a trabalhar no plano social para mudar as estruturas injustas que geram a pobreza” (C. 24e).

A encíclica nos chama à conversão para um novo estilo de vida. Eu estou pronta e disposta a fazer escolhas que reflitam minhas convicções?

GrazO coração desta Filha da Caridade se emociona, especialmente, quando o Papa Francisco apela ao mundo para que reconheça a dignidade dos pobres:

“Nas condições atuais da sociedade mundial, onde há tantas desigualdades e são cada vez mais numerosas as pessoas descartadas, privadas dos direitos humanos fundamentais, o princípio do bem comum torna-se imediatamente, como consequência lógica e inevitável, um apelo à solidariedade e uma opção preferencial pelos mais pobres. Esta opção implica tirar as consequências do destino comum dos bens da terra, mas – como procurei mostrar na exortação apostólica Evangelii gaudium [123] – exige acima de tudo contemplar a imensa dignidade do pobre à luz das mais profundas convicções de fé. Basta observar a realidade para compreender que, hoje, esta opção é uma exigência ética fundamental para a efetiva realização do bem comum” (158).

Façamos nossa a oração cristã que conclui a encíclica:

Oração cristã com a criação

Nós Vos louvamos, Pai,

com todas as vossas criaturas,

que saíram da vossa mão poderosa.

São vossas e estão repletas da vossa presença

e da vossa ternura.

Picture1Louvado sejais!

Filho de Deus, Jesus,

por Vós foram criadas todas as coisas.

Fostes formado no seio materno de Maria,

fizestes-Vos parte desta terra,

e contemplastes este mundo

com olhos humanos.

Hoje estais vivo em cada criatura

com a vossa glória de ressuscitado.

Louvado sejais!

Espírito Santo, que, com a vossa luz,

guiais este mundo para o amor do Pai

e acompanhais o gemido da criação,

Vós viveis também nos nossos corações

a fim de nos impelir para o bem.

Louvado sejais!

Senhor Deus, Uno e Trino,

comunidade estupenda de amor infinito,

ensinai-nos a contemplar-Vos

na beleza do universo,

onde tudo nos fala de Vós.

Despertai o nosso louvor e a nossa gratidão

por cada ser que criastes.

Dai-nos a graça de nos sentirmos

intimamente unidos

a tudo o que existe.

Deus de amor,

mostrai-nos o nosso lugar neste mundo

como instrumentos do vosso carinho

por todos os seres desta terra,

porque nem um deles sequer

é esquecido por Vós.

Iluminai os donos do poder e do dinheiro

para que não caiam no pecado da indiferença,

poor of the earth crying outamem o bem comum, promovam os fracos,

e cuidem deste mundo que habitamos.

Os pobres e a terra estão bradando:

Senhor, tomai-nos

sob o vosso poder e a vossa luz,

para proteger cada vida,

para preparar um futuro melhor,

para que venha o vosso Reino

de justiça, paz, amor e beleza.

Louvado sejais!

Amém.