São João Gabriel Perboyre

« Pedi a Deus minha conversão e santificação… que me faça realizar ao menos em parte os seus desígnios sobre mim e me conceda sua misericórdia para o resto”. – extrato de uma carta de João Gabriel ao seu irmão, responsável pela sacristia em São Lázaro, Casa Mãe da Congregação da Missão. É a linguagem de um homem chamado “um santo vivo” (P. Songe).

1802, 6 de janeiro nascimento perto de Montgesty, diocese de Cahors
1818, 15 de dezembro entrada na Congregação da Missão
1925, 23 de setembro ordenação presbiteral na Capela das Filhas da Caridade, rua du Bac
1832 diretor do Seminário Interno de Paris
1835, 21 de março partida para a China
1839, setembro prisão
1840, 11 de setembro martírio
1889, 10 de novembro beatificado pelo papa Leão XIII
1996, 2 de junho canonizado pelo Papa João Paulo II
11 de setembro dia da festa

João Gabriel nasceu em Puech, um lugarejo na paróquia de Montgesty. Primeiro dos oito filhos de Pedro e Maria Perboyre, cresceu numa família muito católica, proprietária de uma fazenda que lhes assegurava o sustento.  O pároco da sua paróquia gostava de interrogá-lo sobre o catecismo dizendo: “Vamos ao pequeno doutor!”. Na sua família, João Gabriel recebeu o exemplo do seu tio Jacques, padre da missão, homem de coragem no momento da Revolução. Com ele, João Gabriel aprendeu como viver por Jesus Cristo e servi-lo até a morte.

Em 1816, João Gabriel acompanha seu irmão menor ao Seminário de Montauban e lá permanecerá para continuar os estudos.

Em dezembro de 1818, João Gabriel entra na Congregação da Missão; é ordenado padre em setembro de 1825 na Capela da Casa Mãe das Filhas da Caridade, em Paris. Depoisde servir como professor de teologia no Seminário de Saint Flour, ele é chamado à Casa Mãe da Congregação da Missão, em Paris, para ser diretor do Seminário Interno.

A Epifania, a estrela do momento do seu nascimento, continuaria a mostrar-lhe horizontes muito distantes. Em março de 1835, ele se põe a caminho, sob a proteção de Deus, e chega a Macau, porto de acesso às missões na China, em 29 de agosto. Suas atividades apostólicas em Ho-Nan serão numerosas, apesar dos perigos e perseguições até ser traído e preso em setembro de 1839.

Após meses de sofrimento físico e moral, de longas e terríveis torturas, João Gabriel Perboyre dará seu último testemunho no dia 11 de setembro de 1840, pendurado numa cruz e estrangulado por uma corda.

Uma cruz luminosa apareceu no céu no momento da morte de João Gabriel, segundo muitos testemunhos. A Epifania chegou ao cume – realizando as palavras do profeta Daniel (12,3): “Os justos hão de brilhar como o esplendor do firmamento, e os que ensinam a justiça a muitos brilharão como estrelas por toda a eternidade.”.

Seu corpo foi levado para São Lázaro (Casa Mãe, em Paris) 20 anos depois de sua morte.