Madre Margarida Farrell George

Na Família Vicentina há um número de comunidades religiosas com o espírito de São Vicente, assim como o de Santa Elizabeth Seton. Uma delas é a das Irmãs da Caridade de Cincinnati. Sua Fundadora foi uma mulher que conhecia muito bem Sta. Elizabeth Seton e aprendeu com ela

“ Um coração cheio de caridade é um santuário no qual Deus gosta de habitar.” – Madre Margarida Farrell George

 Margaret Farrell George foi membro fundador das Irmãs da Caridade nos Estados Unidos e uma mulher intimamente envolvida no crescimento do catolicismo nos Estados Unidos. Ela conduziu escolas e orfanatos em seis cidades dos EUA antes de se tornar a mãe fundadora das Irmãs da Caridade de Cincinnati.

Ela nasceu em Sligo, na Irlanda, em 1787. Sua família imigrou para os Estados Unidos, onde seu pai e seus irmãos morreram, provavelmente na epidemia de febre amarela. Logo Margaret e sua mãe, Bridget Farrell, mudaram-se para Baltimore, Maryland.

Quando ela tinha quase 20 anos, casou-se com Lucas George, um professor no Colégio de Sta. Mary. Seis meses após o casamento do jovem casal, Lucas foi ferido em um acidente e morreu. Durante esta provação, Margaret deu à luz uma filha, mas o bebê sucumbiu à tosse convulsa.

Durante esse período, Elizabeth Seton chegou a Baltimore para abrir uma escola as duas se conheceram através de sua conexão com os sacerdotes sulpicianos em Santa Maria. Quando as duas mulheres se conheceram, se desenvolveu uma amizade duradoura.

Elizabeth Seton mudou-se para Emmitsburg, uma pequena aldeia a oeste de Baltimore, com a sua família e várias mulheres que se tornaram o núcleo das Irmãs Americanas da Caridade. A nova congregação religiosa teve seu início em 1809 e Elizabeth também continuou sua escola. Margaret manteve laços estreitos com Elizabeth Seton, com quem se correspondia e, pelo menos em uma ocasião, visitou Emmitsburg.

Em 1812, ela e sua mãe viajaram para S. José em Emmitsburg e Margaret se juntou às Irmãs da Caridade. Sua mãe, uma viúva de quarenta e sete anos, embarcou na Casa Mãe e, mais tarde, também se juntou à Comunidade.

Visto que as constituições da comunidade haviam sido recentemente aprovadas pelo Arcebispo John Carroll, o primeiro noviciado estava prestes a começar, assim Margaret estava entre o primeiro grupo de dezessete a fazer votos como Irmãs da Caridade em 19 de Julho de 1813, após completar um período de 17 meses. vivendo seu domínio e discernindo sua vocação.

As habilidades de Margaret como líder e como administradora foram imediatamente reconhecidas e utilizadas na comunidade como tesoureira quanto na escola onde ela foi designada para ensinar história, contabilidade, francês e caligrafia.

As Irmãs da Caridade abriram missões na Filadélfia e em Nova Yorque e, em 1819, Margaret foi nomeada diretora do Asílio de órfãos da Nova Yorque. Esse foi o começo de mais de quatro décadas de trabalho educacional e social em várias cidades, desde a costa do Atlântico até o centro-oeste.

Quando Margaret deixou Emmitsburg para Nova York, ela se despediu de Elizabeth Seton pela última vez. A futura santa estava com problemas de saúde há vários anos e finalmente sucumbiu à tuberculose em 4 de Janeiro de 1821. Depois da morte de Elizabeth, Margaret retornou a Emmitsburg para cuidar da Academia de S. José por três anos.

Sua próxima tarefa era de abrir uma escola nas proximidades de Frederick, Maryland. Margaret dirigiu esse empreendimento por nove anos, à medida que crescia para abranger uma grande escola gratuita, um orfanato e uma academia de internato. De Frederick, Margaret foi enviada para Richmond, Virginia, onde ela foi novamente convidada a abrir uma escola. Em Richmond, como em Frederick, ela e suas companheiras experimentaram fanatismo anticatólico que Margaret notou em seu diário com este verbete: “Nunca, em nenhum período da minha vida, me senti tão completamente isolado e estranha longe de amigos e da terra. “

Em 1837, Margaret foi novamente eleita tesoureira da Comunidade e retornou a Emmitsburg para assumir suas funções. Durante sua estada de quatro anos na Casa Mãe, ela compilou O Livro do Tesoureiro, “uma lista de todas as pessoas que entraram em nossa Comunidade desde o começo em Baltimore. . “, E o Diário de São José, um diário encantador cheio de suas observações pessoais, bem como um relato da vida cotidiana na casa mãe e na escola.

Ela então foi designada para dirigir a escola e o asilo de órfão operado pelas Irmãs em Boston. Esta missão tinha sido iniciada uma década antes e até então servia quase quatrocentas crianças que aumentavam a cada ano, à medida que um número crescente de imigrantes aumentava a população da cidade.

A próxima missão de Margaret, em Fevereiro de 1845, levou-a para Cincinnati, Ohio, um centro do movimento para o oeste dos Estados Unidos. Aqui Margaret se encarregou do Asilo e da Escola de São Pedro, uma missão que as Irmãs da Caridade abriram em 1829.

Vários anos depois, as Irmãs Americanas da Caridade se tornaram membros das Filhas Francesas da Caridade. Margaret e algumas das outras irmãs da missão de Cincinnati sentiram que, para permanecer fiéis à visão de Elizabeth Seton, precisavam deixar a Comunidade em vez de se tornarem Filhas da Caridade. O Arcebispo ofereceu-se para apoiar o estabelecimento de uma Comunidade diocesana das Irmãs da Caridade em Cincinnati. Assim, em 25 de Março de 1852, a Congregação das Irmãs da Caridade de Cincinnati foi estabelecida. A nova Comunidade imediatamente começou a aceitar novos membros. As Irmãs continuaram a operar a escola e um orfanato e o S. João, o primeiro hospital católico em Cincinnati também.

Quando as primeiras eleições foram realizadas em Fevereiro de 1853, Margaret George foi eleita Madre. Apesar de seus sessenta e cinco anos, sua sabedoria, experiência, entusiasmo e motivação atraíram os outros e a comunidade cresceu rapidamente. Escolas adicionais foram abertas em 1853 e 1854 e a propriedade foi comprada para a primeira Casa Mãe. Margaret supervisionou muito crescimento e mudança nos seis anos em que serviu como mãe.

Foi aqui em 2 de Fevereiro de 1862 que Margaret celebrou seu Jubileu de Ouro como uma Irmã da Caridade. Em Novembro, ela retornou à Casa do Monte S.Vicente, onde, pelos seis anos seguintes, ficou confinada a uma cadeira inválida devido a um derrame. No entanto, estudantes da academia, seminaristas, padres e, é claro, as irmãs a visitavam com frequência e recebiam seu conselho. Margaret morreu em Novembro de 1868.

Adaptado pelo Site de “Sisters of Charity of Cincinnati”, Judith Metz, S.C.