Ir María Emilia Heredia y Guerrero

“Quero ser santa”

Ir. María Emília Heredia y Guerrero nasceu em Málaga em 15.10.1874. Quando ela tinha três anos de idade, sua mãe morreu e foi María Guerrero, sua tia, que assumiu o cuidado e a educação dela e de seus dois irmãos. Quando Emilia recebeu, pela primeira vez, o Santíssimo Sacramento, ela já sonhava em usar o hábito carmelita.

Aos 14 anos, seu pai morre repentinamente em 1888. Poucos meses depois, Emilia e Pepita entram no Colégio das Irmãs da Assunção, em Londres. Emília assistiu a tomada de hábito de sua mais querida companheira, mas Deus queria para ela algo mais simples e quando ela voltou para se estabelecer em Málaga em 1897, ela começou a pensar em ser uma Filha da Caridade. Ela confiou esse desejo ao seu diretor espiritual que a encorajou a realizar seu propósito.

Aos 23 anos, ela bateu às portas de uma Casa das Filhas da Caridade: O Asilo de San Juan de Dios de la Goleta. A Irmã Servente (Superiora) acolheu-a com grande bondade e fez com que ela tomasse consciência do que implica ser Filha da Caridade implica renúncia e entrega. As Filhas da Caridade, são diferentes de outros grupos de religiosos, têm votos simples e o aconselhouque pensasse e esperasse a vontade de Deus.

Emilia com a sua prima, Guillermina Heredia Barrón, visita o Hospital do menino Jesus e a Casa de Misericórdia de Santa Isabel. No contacto com as irmãs cada vez vía mais claro que desejava tomar parte desta Companhia. Não vacila; sua decisão se plasma neste lema“Volo” e faz gravar em um imperdível: “VOLO”. Quero ser santa. “VOLO”. Quero consagrar-me ao Senhor. “Volo” = Quero levar a mesma vida que Cristo na terra. “VOLO”. “VOLO”.  Quero ser Filha da Caridade.

Quase desde o berço que o Senhor a escolhe, prepara-a para sua futura missão. Persuadida pelo chamado divino, ela responde com firme vontade: “Eu sou a pobre gota de água que o sacerdote coloca no cálice … Eu não valho nada, mas Deus fixou os olhos na baixeza da sua serva”. Para Emilia tudo é secundário; seu coração é só de Deus. Estas palavras podem ser aplicadas a ela “ela agradou o Senhor desde a infância, olhou para ele e deixou-se cativar”.

Por razões familiares, ela teve que viajar para Paris, ela entrou em contato com a Casa Mãe das Filhas da Caridade, na  Rue du Bac, 140, Paris. Ela se encontrou com a Madre Geral, Ir. Lamartinie, que, desde o primeiro momento, descobriu nessa jovem sua grandeza de espírito e sua profunda piedade, mas foi sua sucessora, Ir. Julia Kieffer, quem a recebeu na Companhia.

Aos 25 anos, Emilia Heredia perdeu seu relicário de ouro“VOLO”. Ela deu a sua vontade humana para fundi-la ao divino e entrou na Companhia em 27 de Novembro de 1899, lá ela se preparou para uma vida cheia de entrega a Deus no serviço aos pobres. Ele teve a boa sorte de fazer o postulantado no Hospice de Enghien, um bairro pobre no sudeste de Paris, onde Santa Catarina Labouréfoi humilde e simplesmente santificada e enterrada lá. Irmã Dufés, disse-lhe que no local a irmã Catherine revelou seu grande segredo. Seu espírito estava mergulhado no trabalho comunitário. Tudo isso estava criando em sua mente e em seu coração o anseio pela santidade através de um trabalho externo e com o desenvolvimento de toda a ternura que ela era capaz no seu interior.

Um dos episódios que chocou Ir Heredia dos fundadores foi a fundação de crianças abandonadas. Eu tive a ilusão de ir à terra de Jesus para dedicar-se ao cuidado das crianças. Os superiores não entenderam e decidiram enviá-la para a Espanha. Ela passou por uma breve estada na Casa Cuna de Biarritz, onde cuidou de crianças, filhos de pescadores, e Ir Heredia se entregou em corpo e alma para cuidar deles com grande doçura.

Um ano depois, chegou ao Hospital do Menino Jesus em Madrid, onde começou seu trabalho social. Em 1902 ela desenvolveu seu espírito de entrega em Santa Isabel de Madrid, a primeira Casa Provincial das Filhas da Caridade do hábito cinza na Espanha. No ano seguinte, foi chamada à Casa Mãe para colaborar na formação das irmãs do seminário. Em 1912, antes dos rumores de um possível conflito mundial, enviaram-na à Espanha para o Asilo de Nossa Senhora do Porto de Santoña (Cantabria), a uma escola para filhos de pescadores.

Por motivo da guerra Europeia, da casa-mãe pediram-lhe que conseguisse um prédio adequado para servir ocasionalmente como postulante, porque era impossível para as jovens aspirantes se mudarem para Paris. Em 26 de Novembro de 1913, uma comunidade foi estabelecida em Ávila, na cidade de Santa Teresa, na Casa da Caridade da Medalha Milagrosa, onde demonstrou uma ampla gama de assistência, promoção e evangelização.

 Em 01.11.1914, com a guerra que assolou a Europa, foi lançado em Ávila o segundo seminário das Filhas da Caridade na Espanha. Apesar dos grandes inconvenientes que precisaram ser superados, Em 31 de Maio de 1917, o Seminário passa para a atual casa provincial de Martínez Campos, 18 anos, em Madrid. Havia 30 Irmãs do Seminário. Além disso, a irmã Emilia foi responsável pela coordenação das classes externas, a Associação das Filhas de Maria e Luísas de Marillac. Desde Novembro de 1918 ela foi também conselheira.

O Senhor a apoiava, ajudava e fortalecia aquela que colocava todo o seu ser nele. Deus a preparou para um novo serviço. Na noite de 23 a 24 de Março de 1920, a Irmã Catherine Massol, Visitadora da Província, morreu. O Conselho Geral nomeou a irmã Emilia Heredia como sua sucessora. Em 21 de Abril do mesmo ano, Ir. Maria Emilia assumiu a direção da Província, sendo a primeira irmã espanhola a ocupar essa posição. Ir. Emilia, aos 46 anos, iniciou seu novo “serviço” visitando todas as Casas HC da Província, trazendo-lhes as luzes de seu bom senso e o afeto de seu coração. Seu espírito de fé fez com quelhe acolhessem como uma enviada de Deus. Ela se considerava um instrumento fraco, mas colocada nas mãos de Deus e se esforçava para criar na Casa Provincial uma atmosfera de paz, cordialidade, unidade, as Irmãs desfrutavam de uma verdadeira vida familiar sentindo-se felizes na Comunidade.

No ofício de Visitadora, seu caminho não foi de rosas, logo encontrou-se com a Cruz neste “ofício” de responsabilidade, a estrada real da Santa Cruz. Muitas seriam as cruzes que  encontrará. Desde Abril de 1931, quando a Segunda Repúblicafoi proclamada na Espanha, vários decretos proibiam e fechavam centros religiosos. Em 18 de Julho de 1936, o Movimento Nacional irrompeu. Madrid, a capital, foi inundada de bandeiras vermelhas e uma turba que tomou as ruas tomando tudo o que estava ao seu alcance. Em 21 de Julho de 1936, o governo decretou a partida das freiras de todos os Centros Estaduais dentro de um período de 6 horas. Ir Heredia entendeu que a Lei sectária das Congregações Religiosas não se aplicava às Filhas da Caridade.

Durante a Guerra Civil Espanhola, converteu a Casa Provincial em um Hospital Auxiliar da Cruz Vermelha, sob a imunidade política da bandeira francesa, que tornou possível cuidar de muitos doentes e feridos e salvar muitos espanhóis dos dois lados nacional e republicano. Muitas Irmãs se refugiaram na Casa Central não antes sem sofrer, humilhação e até prisão. Duas Irmãs foram presas na estrada e até o final da guerra não havia notícias delas. Um trapeiro os relatou, na saída da pensão e elas foram presas e levadas para uma prisão tcheca e, ao amanhecer, foram baleadas na estrada para Toledo. Foram elas: Irmã Modesta Moro Briz, Farmacêutica Assistente na Maternidade de Santa Cristina, irmã do Bispo de Ávila e Irmã Pilar Isabel Sánchez Suárez, assistente do centro cirúrgico da mesma Casa. As duas já foram beatificadas.

A Visitadora deixava a Deus campo livre para esculpir sua alma, e ela terminou bem sua obra de arte. Ela seria testada de qualquer maneira e em toda parte, em sua família que foi muito perseguida, 33 membros executados. Seu irmão Eduardo morreu em 1931, por causa das decepções que o levaram a querer livrar-se da morte do bispo de Málaga, perseguido por multidões enfurecidas e Carmen López, sua esposa, assassinada. E sua irmã Pepita morreu de sofrimento quando a guerra começou.

Os Ataques cardíacos o repetiam com frequência. No entanto, a crucificação íntima identificou-a de tal modo a Cristo que às vezes ela era vista como abismada Nele. Ela seria testada em seu centro mais amado: a Província que em pouco tempo seria praticamente desfeita. E finalmente ela ia ser testada em sua própria pessoa, perseguida teve que deixar a casa central e teve que sair de Madrid, duranteaGuerra Civil Espanhola (1936-1939)temendo que ela também fosse executada.

Em 25 de Janeiro de 1938 mudou-se para Barcelona, com o nome francês, Madame Mereau, passou dias terríveis em uma casa particular, vestida de secular e temendo descobrir sua verdadeira personalidade, caso em que a prisão ou talvez a morte seria seu destino. No entanto, nem nesse momento houve qualquer queixa ouvida. Enquanto isso, ela rezou sua ejaculação favorita “Santa Virgem do Pilar, do Santíssimo Rosário, Minha Mãe Milagrosa”. Em 2 de Fevereiro, ela embarcou para Marselha, com destino à Casa Mãe em Paris. Ela veio para a Casa Mãe quebrado pelo cansaço, envelhecimento e muito magra. No entanto, com os olhos azuis humedecidos, ela sorriu. Quando, nos intervalos, pediam que ela contasse algo sobre a Espanha, sua voz tremia e seus olhos se perdiam no infinito. Ela pedia desculpas dizendo: “Nós precisávamos ter vivido para compreender“.

Na Capela das Aparições, ele confiou a Virgem às suas Irmãs e à sua Província, foi o último oásis que encontrou no deserto da sua vida. Acabei de sair da tribuna para ir à enfermaria e ao rosário e escrever para as irmãs. Neste momento, suas principais preocupações eram: a Espanha, as Irmãs e sua preparação para morrer.

Em 16 de Março de 1938, libertou o Norte do país, e tendo atingido uma situação estável, Ir Heredia atravessou a fronteira francesa através de Irun. De lá, ela continuou incentivando as irmãs e se interessando por cada uma delas. Ela teve o consolo de visitar o novo seminário que havia se mudado para Oyeregui, Elizondo, uma aldeia no norte de Navarra, onde as Irmãs continuaram sua vida de piedade e recolhimento, ignorando a situação que estava se desenvolvendo no Centro e no Levante da Espanha.

A Província teve que ser reorganizada e contou com o apoio do do Padre Diretor, Pe. Carmelo Ballester, que conheceu em detalhes a alma de cada uma das Irmãs, mas um novo sacrifício o aguardava. O diretor foi nomeado para a sede episcopal de León. A notícia foi recebida na Casa Central de Madrid pela rádio Salamanca em 14 de Fevereiro de 1938. Ir Heredia recebeu as notícias com grande generosidade sem reclamar. A consagração aconteceu em 15 de Maio em Pamplona.

Em 8 de Abril de 1939, depois que a guerra terminou, a irmã Emilia chegou a Madrid gravemente doente. Da maca, onde a levavam à enfermaria, viu pela última vez a imagem da Santíssima Virgem na amada Capela, mais acolhedora e radiante do que nunca. Depois de quinze dias de prostração em 23 de Janeiro de 1939, Ir. Emilia Heredia Guerrero entregou sua alma a Deus. Ela tinha 64 anos e 39 anos. Sua vida não foi muito longa, mas o suficiente para deixar um rastro, um caminho a seguir baseado nas demandas de sua vocação. Ela estava plenamente configurado com os três traços do Cristo Vicentino: Adorador do Pai, Servo de seu desígnio de Amor e evangelizador dos Pobres.

A Câmara Municipal de Madrid, datada de 20 de Abril de 1942, autorizou a transferência de seus restos, sendo depositada no jardim do Seminário, em um Oratório construído sob o vestiário da Virgem da Capela. Por muito tempo, o lugar tem sido motivo de oração e recolhimento para as Irmãs, seja da Casa, da Província ou das Irmãs do Seminário

Se Pode-se dizer que seu termo de governo foi a idade de ouro da Província. Em dezenove anos, foram abertas 61 casas. Até 1939, as Filhas da Caridade estavam em 110 casasdistribuídas em toda a geografia espanhola.

A irmã Emília, desde muito jovem, assumiu o mandato de Jesus: “Sede perfeitos, como o vosso Pai celeste é perfeito”e com o seu “eu quero, Volo” estava perfeitamente unido à vontade de Deus que quer que todos alcancemos santificação É verdade que é necessário um reconhecimento especial por parte da Igreja para elevar Ir. Heredia aos altares, mas estamos convencidos de que ela faz parte do grande exército de cento e quarenta e quatro mil seguidores que seguem o Cordeiro. Ir. Emilia Heredia tinha, na verdade, uma alma luminosa e um grande coração. Ele ofereceu a graça mais do que um recipiente vazio e passivo de barro. Sua vontade de quererfoi ajustada ao mandato de Vicente de Paúl:

” Amemos a Deus com o suor da fronte e o esforço dos nossos braços”

Segundo Dom Carmelo Ballester, no prólogo “Quero ser santa“: Ir. Heredia sentiu-se devorada pelo desejo de que Nosso Senhor Jesus se tornasse mais conhecido e amado. Destacou-se sobretudo em saber unir a vida de Maria com a de Marta, a contemplativa com a ativa.

Fonte : Tirado do livro:“Quero ser santa”
Ir Mª Teresa Candelas, F.C