Minha Vocaҫᾶo

 Toda Dada a Deus para o serviço dos pobres

Ouvi o chamado muito cedo: o dia da minha primeira comunhão. Eu tinha 7 anos de idade, e sentia que compartilharia minha vida somente com Cristo. Deus se manifestou através dos acontecimentos: minha vida em uma família unida onde se viviam valores morais e religiosos, a guerra, a derrota, a ocupação alemã e a descoberta do horror dos campos nazistas… Como poderia não ser marcada por tanto sofrimento?

Estudei enfermagem e entendi que, depois de todos estes sinais, Deus estava esperando minha resposta. Com a ajuda de um padre, decidi entrar para as Filhas da Caridade. Eu sabia que lá eu poderia servir os pobres e viver lá com Cristo. Depois de um tempo de formação, comecei minha vida ativa.

Na minha primeira casa, éramos 12 irmãs. Mesmo que a vida comunitária não seja um rio longo e tranquilo, havia muita fraternidade entre nós. O Amor de Deus e o Amor dos Pobres nos reuniram e alimentaram nosso tempo de oração. Neste distrito de Paris, eu realmente encontrei a pobreza. Ainda vejo esta mulher em um pequeno quarto com três crianças que tiveram que pendurar as cadeiras e dobrar a mesa à noite a fim de colocar os colchões no chão para dormir. Também não posso esquecer a pequena Danièle, que foi hospitalizada após ser envenenada por um fogão a carvão (causado por seu pai que a amava mas era ferozmente hostil à sua aproximação) durante o retiro da Primeira Comunhão.

Experimentei muitas mudanças e em todos os lugares onde encontrei os Pobres. Deus me fez entender como melhorar esses encontros. Era necessário ir além da ajuda, serviços e pequenas palavras reconfortantes, para ir mais longe, para ajudar os pobres a se encarregarem de si mesmos. Fui até suas casas, eles me receberam, a distância entre nós diminuiu, uma certa simplicidade foi estabelecida, eles puderam falar sobre as coisas importantes de suas vidas.

Mais tarde, respondi a um apelo para ir ajudar no acampamento Sakéo na Tailândia, onde os Khmers Vermelhos haviam se refugiado. Uma noite, quando eu estava acordado, pude conversar com Ven que estava nos ajudando na tenda onde estavam os doentes. Ele havia partido com 18 membros de sua família e chegado ao acampamento sozinho, todos os outros haviam morrido de fome, maus tratos e execução, sendo o último deles sua esposa, perdido na floresta. Recebi esta confiança como um verdadeiro presente e muitas vezes penso nisso, isso me ajuda em tempos difíceis. Éramos várias irmãs vindas de todas as partes do mundo. O que fizemos mais do que “Médicos Sem Fronteiras”, aos quais estávamos ligados? Nada mais na superfície, mas para nós foi nossa pertença a esse Deus a quem tínhamos dado nossas vidas que nos motivou.

Mais tarde, fui missionado em uma comunidade em H.L.M. ligada à “S.A.P.P.E.L.”, uma associação fundada para evangelizar o quarto mundo. Dentro desta estrutura, organizamos retiros para um pequeno grupo de pessoas em uma situação precária.

Tinha sido lançado um apelo para ir brincar com crianças de Kosovo que estavam muito perturbadas pelos massacres e que haviam vivido por várias semanas na neve da floresta. Aceitei porque, apesar de minha idade avançada, me sentia muito próximo das crianças e tinha mantido meu entusiasmo para brincar. Foi o jogo que serviu como uma linguagem e um remédio. Muito rapidamente, as gargalhadas se desataram quando as caixas foram derrubadas no jogo de “chamboule-tout” e muito rapidamente os pequenos cantaram “savez-vous plantter les choux” (canções folclóricas francesas).

Em Ruanda, a Empresa me enviou a meu pedido. Seis anos neste país pequeno, muito pobre, mas bonito. Foi dito que “Deus veio para descansar ali à noite”. Lá, eu era principalmente um motorista para conduzir os doentes à noite e às vezes até para trazer os mortos de volta para que essas pobres pessoas pudessem enterrá-los ao redor de suas casas, sendo o custo de permanecer no hospital muito caro para eles. Eles costumavam me chamar de “umukécuru” (que significa “a avó”, um título de reconhecimento). Tive a alegria de ver florescer vocações entre as jovens mulheres ruandesas que hoje são irmãs corajosas, muito próximas dos pobres e felizes, apesar dos terríveis massacres ocorridos alguns anos depois.

O último lugar que fui foi para a Associação Católica “Depaul” a serviço do povo de rua. Eu era um simples voluntário entre os outros, fazendo tarefas muito humildes como lavanderia, chuveiros, servindo café para homens e mulheres que viviam na rua. Tivemos uma relação muito simples com eles. Eles eram “nossos mestres”, fazendo o que nos pediam, às vezes recebendo palavras duras ou dolorosas, mas também às vezes amigáveis, mesmo manchados de delicadeza.

Estou na última etapa de minha vida. A hora da reunião está se aproximando, inimaginável. É claro que tenho alguma apreensão, mas sei que Ele estará lá… O que posso dizer? Muito simplesmente: OBRIGADA por tanta felicidade, mesmo que tenha havido momentos difíceis, mesmo muito difíceis, com passagens vazias onde eu negligenciei Deus. Mas Ele estava sempre lá, esperando “o retorno do filho pródigo”.

Irmã Marie-Renée Lelièvre
Província de Bélgica-França-Suíça