Minha Vocaҫᾶo

A ALEGRIA DE RECEBER A ESCOLHA DE DEUS

“Em Tí está a fonte da vida, pela tua luz vemos a luz”

Sou Irmã Nadège Laure MBOMEN TCHAMBA, Filha da Caridade da Província dos Camarões. Foi entre três e quatro anos atrás que ouvi o chamado do Senhor em meu coração.

De fato, ao frequentar a escola elementar, fiquei muito impressionada com o comportamento da irmã Marie Hélène MONFO, minha diretora (Filha da Sagrada Família de Bafoussam, minha diocese de origem). Ela era doce, simples, acolhedora e trabalhadora. Sempre sorrindo, ela nunca levantou a voz, fosse qual fosse a circunstância, soube levar cada criança com amor e ternura, ao contrário da violência com que quase todo mundo ao meu redor ou ao redor dos outros; em suma, ela era diferente. Sempre que ela tinha que pegar um criança, longe de gritar ou espancá-la, ela a chamava, a ouvia e a aconselhava. Diante dessa atitude, digo a mim mesmo: “há apenas uma irmã para agir com tanto amor, doçura e ternura”. Este é o elemento que despertou a minha vocação.

Um dia, novamente impressionada com essa atitude da minha diretora, em casa, eu disse a meus pais que queria ser irmã. A resposta foi então um sorriso: “Estes são os sonhos das crianças pequenas”. Meus pais não acreditavam nisso, mas eu, enquanto crescia, também cresceu em mim esse desejo.

Dois ou três anos depois, quando a irmã Hélène recebeu sua designação, eu queria ir com ela, mas ela me disse: “Estude até você obter seu certificado de estudo primário e Secundário e eu virei buscá-la. Sua resposta me tranquilizou e, a partir de então, tive pressa de obter meu diploma no final da escola Primária. Tendo 10 anos, eu queria começar minha Formação nas Irmãs, mas meu pai me incentivou a estudar até o BEPC e até o Bacharelado.

Queria ser Irmã mas não sabia de que Instituto.

Dois anos antes de obter meu bacharelado, tive a graça de receber das mãos do meu Pároco o folheto das Filhas da Caridade. Quando li, soube imediatamente que era lá que o Senhor me queria. Meu coração cheio de alegria e gratidão para com Deus e meu pároco, entrei em contato com elas a partir de então e caminhei com as Irmãs até entrar no Pré-postulado. Meu pároco, quase apagado, velava discretamente na minha vocação.

Passo a passo, através da alegria e da dor, o Senhor me guiou. Durante minha jornada, incluindo postulado, seminário e durante a formação inicial o envio em missão, passando por momentos muito difíceis (doença, dificuldades familiares, morte de um dos pais, grande mal-entendido) e, às vezes, dúvidas sobre minha vocação, teve a tentação de deixar a Companhia; mas em seu amor e grande misericórdia por mim, o Senhor sempre foi capaz de me iluminar, de seguir meu caminho e no momento certo, a pessoa capaz de me ajudar a sair da escuridão em que eu estava. Através de vários meios e eventos, o Senhor deixou claro para mim que Ele me queria na Companhia, cheio de alegria, esperança e perseverança.

Para mim, é uma grande alegria conhecer-me para ser amada e escolhida pelo Senhor e sua Mãe Santíssima; confiar neste amor é a força que me mantém no caminho, apesar dos ventos contrários. Graças à sua misericórdia para comigo, também aprendi a ser misericordiosa com os outros: “A misericórdia liberta o coração, devolve a vida e me dá a ver no outro, meu irmão, minha irmã.

Sei que, com Jesus Cristo, minha luz, a assistência orante da Virgem Maria, a única Mãe da Companhia, nossos Santos Fundadores e todas as pessoas virtuosas que nos precederam neste caminho, tudo é possível; Eu só tenho que acreditar.

“O amor do Senhor não se esgota, sua compaixão todas as manhãs é renovada.”