Encontro Interprovincial de Irmãs de Formação Inicial em Espanha

[Províncias da Espanha] Nos dias 28/11 a 1/12 teve lugar em Almendros (Madrid) o Encontro de Formação Inicial. Fomos na companhia de Lola Arrieta e Cova Orejas, Irmãs Carmelitas da Caridade de Vedruna que colaboram no Projeto conhecido por acompanhamento “Ruaj” e foram as encarregadas de apresentar-nos o tema escolhido: “Relato da própria vida vivida como vocação” e de colocar ao nosso alcance as ferramentas para conseguir o objetivo que foi traçado desde o início: Repensar a vida como vocação e fazer memória dum passado remoto guardando-o no coração e abrindo-nos ao futuro com agradecimento e fé esperançosa.

Através de uma linha imaginária que representava os anos de pertença na Companhia assinalávamos pontos de inflexão, momentos que nos geraram tristeza, alegria, confusão, inquietação…, alguns deles guardados no baú do que não se fala mais que nos foi configurado tal e qual somos hoje. Foi muito construtivo compartilhar em pares a releitura que cada uma de nós havíamos feito para posteriormente compartilhá-lo em grupo. Também convidava-nos a tomar consciência por onde caminhávamos e detectar aquelas inquietações e dificuldades que nos preocupavam.

Demos um passo a mais de um testemunho forjado pelo Senhor, Isaías “Aqui estou, envia-me”(Is 6,8), e na linha do texto aprofundamos no Itinerário pedagógico, concretamente nos 3 elementos que há que ter em conta para viver a vida como chave de vocação: experiência teofánica, processo de consagraçãoque nos vai forjando e enviando em missão.

Com o desejo de viver cada dia mais enraizadas e conetadas a Ele, isto é, viver com consciência a vida como missão, começarmos o dia recorrendo juntas as Tarefas da rua no que aprofundamos na premissa de que o “Ser adulto se define, entre outras coisas, pela capacidade de trabalhar”recordando-nos que as tarefas não são a missão; As motivações do bairro onde descobríamos que “é importante o que fazemos ainda mais o que nos move no que fazemose o importante que resulta em identificar as motivações primáriaspara melhorar a gestão das mesmas assim como alimentar aquelas motivações secundárias que nos movem a fazer quanto fazemos; o número maior da Rua lugar no qual nos animava a pedir o dom do Espírito para caminhar face a um processo de reunificação e “viver a vida como missão” e a Fraternidade do Bairro para viver em atitude de filhas e irmãos. Para viver em atitude de Irmãos e irmãs.

No Domingo aprofundamos em diferentes pontos  de especial interesse que durante as nossas intervenções refletiram ser uma preocupação ou inquietação no nosso caminhar vocacional: testemunhos confusosque tomam outros caminhos que são mediações para olhar a Jesus, as dificuldades na integração da vida como uma missão, necesidades que sustentam as motivações primárias e que quanto mais equilibradas, melhor podemos responder em nossa rendição a outros, valores que são interesses vitais, relacionamento com Deus em tempos de adversidade, perda de pessoas significativas, importância de tomar consciência da presença de Deus em nossa vida através de momentos de intimidade com Ele, descobrindo a vocação pessoal dentro da vocação comum e a dificuldade de deixar Deus no centro de nossa vida e separar nosso Ser.

Demos como terminada a este magnífico encontro dando Graças a Deus por quanto nos tinham oferecido, com a convicção de que é necessário continuar aprofundando na formação humana para assim sermos as Servas que o Senhor quer e que os Pobres necessitam. Como sempre expressamos também a nossa gratuidade as Irmãs da Casa que nos acolhem sempre com cordialidade e alegria.

Ir Maria José Alias, F.C



Views: 1.503