Trabalho em rede em Colégio Patronato Sagrado Coração (Cartagena)

[Província Madrid Santa Luísa] Desde 2014 nos bairros de Casco Histórico e Sector Estação de Cartagena vem se desenvolvendo um Processo Comunitário Intercultural de trabalho em rede. Participam entidades  públicas (Perfeitura e Comunidade Autónoma), entidades sociais, e a cidadania representativa da diversidade cultural destes bairros.

As instituições activas são: Obra Social “A Caixa”, Perfeitura de Cartagena, Fundação Cepaim, Centro de Saúde Casco Histórico, Área 2 de Saúde do Serviço Murciano de Saúde, a Universidade Politécnica de Cartagena (UPCT), o Museu Regional de Arte Moderno (MURAM), a Asociação de Vizinhos do Sector Estação, o Colégio Patronato Sagrado Coração de Jesus, o Centro de Acolhimento e  Emergência de Cartagena, o colectivo da Huertecita  e a Paróquia Sagrado Coração de Jesus.  

Na fase em que se encontra o processo comunitário nos bairros Casco Histórico e Sector Estação, a constituição do Espaço de Relação Institucional (em frente ERI), supõe um  referente para o Processo Comunitário Intercultural de Cartagena e para sua sustentabilidade.

Estas entidades assinaram um marco Acordo de Colaboração para a continuidade do Processo Comunitário Intercultural, para proporcionar as condições para o desenvolvimento da Programação Comunitária conforme os seguintes objetivos:

  • Garantir o trabalho de cooperação e coordenação inter-institucional entre entidades públicas e de iniciativa social para dar resposta aos desafios da programação comunitária, com projectos comuns.
  • Consolidar un Processo Comunitário Inter-cultural que possibilite a comunicação e diálogo com a cidadania facilitando sua participação.

Para o desenvolvimento das funções do ERI, as entidades concordaram:

Designar representantes institucionais com o compromisso de facilitar sua participação activa com os recursos técnicos a seu alcance para o trabalho comunitário, a fim de potenciá-lo e aproxima-lo à cidadania.

  1. Establecer debates, diálogos, consensos, acordos e compromissos de trabalho segundo os  objetivos e valorizar e validar as resoluções surgidas apartir das Mesas Técnicas, Equipe Comunitária e Núcleo, procurando sua difusão e a capacitação dos participantes para garantir a sustentabilidade do processo.
  2. Estudar e decidir formas de implicar-se nos programas, projectos e ações que surjam da Programação Comunitária, no  Projecto Inovador e  noutras ações do Plano de trabalho anual, contribuindo  com os recursos (económicos, materiais, humanos, técnicos…), oportunos e possíveis em cada momento, na base das posibilidades de cada um dos actores.
  3. Reconhecer  a Monografia, o Diagnóstico  e a Programação Comunitários, como fruto do trabalho conjunto dos distintos recursos técnicos, instituições, entidades e cidadania, que precisam ser revisados e actualizados  periodicamente na base dos avanços que se produzam no processo comunitário.
  4. O apoio técnico de trabalho de ERI o asume a Equipe Comunitário. As entidades integrantes no ERI facilitarão a colaboração
  5.  de profissionais com a dedicação que disponham cada uma das partes, em função de suas possibilidades.
  6. Assessoria permanente, por parte da Direção Científica do Projecto de Intervenção Comunitária Intercultural, de seus assessores e referentes desde a Fundação Bancária “a Caixa”.
  7. O oportuno seguimento resolverá as questões de implicação e interpretação que puderam apresentar-se na execución y desarrollo del programa. El ERI se reunirá, de manera ordinaria, cada seis meses, y de manera extraordinaria, tantas veces como se estimen.
  8. Este acordo se revisará anualmente, dando a possibilidade de que outras pessoas e outras entidades possam incorporar-se no mesmo.
  9. Este acordo sera resolvido por acordo mútuo escrito por ambas as  partes e pela ocorrencia das circunstancias que tornem impossivel seu cumprimento.

Views: 2.379