O dom da sensibilidade a serviço do Amor Efetivo

enc_her_1[Província España Sur] De 10 a 11 de fevereiro, um grupo de Filhas da Caridade e de leigos que trabalham com elas se encontraram na Casa Provincial da Província España Sur para partilhar sua fé e experiências e participar de um momento de formação. O tema escolhido estava de acordo com o tema do ano da Província para todos os encontros: “A Sensibilidade”.

Apesar de já ter participado de vários destes encontros, desta vez, eu vim com uma nova expectativa já que a conferencista seria uma Filha da Caridade. Até então, tinha sido sempre um padre ou leigo a orientar estes encontros. A manhã começou com o convite para erguemos o olhar para o Senhor proclamando com o Evangelho de Marcos: “Eu te bendigo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequenos”. 

Irmã Magdalena, Conselheira Provincial responsável pelo Serviço Social, apresentou Irmã Maria Jesus Arrula como uma “Filha da Caridade”, sem outros acréscimos; isto nos disse algo sobre sua vocação e o que ela realmente é. Ela pertence à Província de Pamplona e serve os Pobres confiados a ela pelo Senhor e pela Companhia, numa escola. O encontro começou com uma música “Ia dizendo pelo caminho: Amigo sou, eu sou um amigo”, que nos levou a reconhecer que Cristo está em nosso meio para nos ajudar, nunca para nos julgar, como verdadeiros amigos devem fazer.  Em sua conferência, Irmã Maria Jesus definiu os conceitos de dom, valor, serviço e amor efetivo a fim de que todos nós falemos a mesma língua. Mais tarde, ela explicou os valores: suas características, hierarquia e teoria.

Sensibilidade é a capacidade de despertar um olhar atento, de ser surpreendido e de se emocionar. É a capacidade de estar alerta, desenvolvendo as atitudes evangélicas de empatia, compaixão e carinho. É se envolver em escutar todos os dias o outro, ser solidário, admirando a beleza e despertar o sentido artístico.

Devemos formar o nosso olhar, porque um outro olhar é possível. O que é ver com os olhos de Jesus? É ter um olhar compassivo. Precisamos de um coração delicado que possa alcançar aqueles que sofrem; um olhar transparente, sem preconceitos ou obstáculos; um olhar de coragem, sem medo, e fazer boas obras, acima de tudo. Encontrar o olhar de Jesus é se sentir chamado e enviado por Ele para tornar presente sua expressão de amor. As crianças estão presentes em todas as experiências das Irmãs e elas exemplificam tudo o que ela compartilhou conosco.

Ir. Magdalena manteve São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac sempre presentes em suas palavras para nos fazer entender que, embora existam muitas formas de compreensão, Cristo orienta a Família Vicentina de uma maneira específica.

Para concluir, ela nos encorajou: Não tenham medo! Encham seu coração com o amor a Deus, o amor aos Pobres, o amor àqueles que precisam de vocês e sua tarefa será muito fácil. Mas também lançou um compromisso para nós: “Os pobres são um dom e merecem os melhores servos”. Esta é a nossa tarefa: buscar formação pessoal, profissional e espiritual para que o nosso serviço seja de boa qualidade e expresse um carinho especial. Assim, “os pobres são realmente nossos senhores e mestres”, e nós seremos os seus servos melhores e mais fieis.

Resumo feito por Irmã Maria Jesus Arrula, FC. 

enc_her2

 

Views: 1.637