Menores desacompanhados

children-border[Província de Saint Louise – EUA] A chegada de menores desacompanhados vindos da América Central para a fronteira dos EUA, no Texas, ganhou o status de crise. Três comunidades da Província Saint Louise estão localizadas nesta região. Três Irmãs, uma parteira, um capelão e um advogado foram enviados para trabalhar como voluntários com as mulheres migrantes e os menores desacompanhados e ficarão nestas casas durante o próximo mês. Uma Irmã escreve sobre suas primeiras experiências:

Nós acabamos de retornar de um abrigo em McAllen, no Texas, dirigido pela Cáritas. A Igreja do Sagrado Coração emprestou seu centro pastoral e, em seu estacionamento, há barracas com ar condicionado para o repouso. A prefeitura tem fornecido uma unidade médica móvel, médicos e tendas para recuperação assim como presença policial para a segurança. A prefeitura reúne as famílias com crianças que foram liberadas pelo ICE (Agência de Imigração e Alfândega dos EUA) e leva-os ao abrigo enquanto esperam sua viagem para encontrar suas famílias. Curiosamente, 75% de todas as mulheres que chegam neste abrigo estão grávidas.

Durante o nosso tour, uma senhora da Guatemala chegou sozinha ao abrigo. De repente, todos os voluntários (aproximadamente uma centena ao todo) começaram a bater palmas para ela na medida em que ela se encaminhava para fazer o cadastro. Aparentemente, é um costume na América Central bater palmas quando um hóspede entra em sua casa, na cidade, etc. Foi muito emocionante. Irmã Janina, parteira, trabalhará neste abrigo que tem uma unidade médica móvel completa.

Nas barracas para repouso estão as jovens mães com seus bebês nos braços. Elas estavam exaustas e pareciam estar mais desmaiadas do que dormindo. Todas as mulheres são muito magras e jovens. Algumas jovens mulheres com rostos extenuados dormiam com suas crianças. Naquele momento, havia em torno de 30 mães solteiras e muitas crianças pequenas nas barracas. Não havia adolescentes aqui, exceto as mães.

Então, chegaram mais famílias. Nós as aplaudimos como se o próprio Jesus tivesse atravessado a porta porque, na verdade, Ele tinha. Todos pareciam apreciar a acolhida. Todas as crianças tinham sapatos furados e sujados e sem cadarços, como os presidiários. Aqui, eles ganharam novos sapatos.

O abrigo é organizado em etapas. Depois das famílias serem acolhidas e aplaudidas, a informação é repassada e eles estão liberados para fazerem sua refeição. Em seguida, eles vão tomar banho e receber novas roupas porque muitos chegam com piolhos e sarna. Eles também ganham roupas suficientes para a viagem. Há uma área de lazer muito boa para as crianças serem apenas crianças.

Ninguém permanece no abrigo mais do que 12 horas. Eles podem descansar nas barracas como várias pessoas faziam quando nós fizemos a visita. Eles são acordados às 04h30 e levados de volta para o ponto de ônibus para começarem a viagem até a sua família em outro lugar dos EUA.

O Diretor disse que eles esperam oferecer assistência espiritual e emocional através da presença de religiosos que falam espanhol. Ir. Sherry trabalhará aqui a partir de amanhã. Nós ouvimos que os imigrantes estão temerosos porque não sabem o que esperar. Eu darei palestras sobre “Conheça os seus Direitos” e incluirei a necessidade de ter cuidado com os traficantes que podem ser amigáveis e falar espanhol.

A Cáritas está dirigindo muitos destes abrigos. Todos os voluntários pareciam muito cansados também; por favor, rezem por todos eles.

Ir. Mary Ellen Lacy, FC

Artigo adaptado do site FamVin.org/en

Views: 2.231