Painel da Família Vicentina discute a estratégia para erradicar a pobreza

170214 UN Panel 41[UN-NGO] Irmã Catherine Prendergast representante da Companhia das Filhas da Caridade nas Nações Unidas, partilha a notícia abaixo vinda da ONU em Nova Iorque:

A Família Vicentina providenciou contribuições para a 55ª Comissão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Social, no dia 1 de Fevereiro, através da organização de um painel de discussão sobre ” o compromisso de base, Advocacia e Mudança de Estruturas para a eliminação da pobreza.”

O painel foi patrocinado pela Missão Permanente da Irlanda e os vários membros da Família Vicentina na ONU. Foi realizada na sede da ONU em Nova York.

170214 UN Panel 11

Irmãs Catherine Prendergast e Margaret O’Dwyer na entranda do evento da família vicentina na ONU.

Pe. Guillermo Campuzano, CM, falou da sinergia entre inclusão do envolvimento de base, participação na advocacia e mudança sistêmica na abordagem da pobreza. A Dra. Linda Sama, da Universidade de S. John, deu exemplos desta dinâmica do Projeto GLOBO, que ela iniciou e que envolve estudantes universitários, em parceria com as Filhas da Caridade, em fornecer microcréditos a pessoas que vivem na pobreza.

Dylan Corbett falou do Instituto HOPE Broder en el Paso, Texas. A HOPE é uma organização comunitária de base na fronteira EUA-México com foco em pesquisa, reflexão, desenvolvimento de liderança, advocacia e ação. Joseph C. Donnelly, representante das ONGs para a Cárita Internacional, inspirou os presentes a não conhecerem apenas a condição dos refugiados e dos migrantes, mas conhecer seus nomes. Teresa Kotturan, SCN, e representante das ONGs para a Federação das Irmãs da Caridade, serviu como moderadora. As Filhas da Caridade foram instrumento no planejamento e organização do evento, assim como a Sociedade Internacional de São Vicente de Paulo e a Associação Internacional de Caridade (AIC).

170214 UN Panel 2

Dra. Linda Sama, da Universidade de S. João e Dylan Corbett, Director executivo do Instituto HOPE Broder in El Paso, Texas.

O tema da Comissão para o Desenvolvimento Social é: “Estratégias para erradicar a pobreza para alcançar um desenvolvimento sustentável para todos”. Durante o longo evento de duas semanas, os painéis abordaram vários tópicos, como o potencial para a participação dos jovens nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, abordando as necessidades das pessoas com deficiência, políticas relacionadas com a pobreza, exemplos de estratégias eficazes para eliminar a pobreza e muito mais.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, apresentou, em 13 de janeiro, um relatório sobre o tema da CSOCD. Apelou a esforços mais fortes a nível nacional e internacional para erradicar a pobreza e promover o desenvolvimento sustentável. Um apelo significativo foi o de abordar as causas profundas da pobreza, do aumento das desigualdades para as políticas insuficientes, preocupações fiscais, questões comerciais e exclusão social, entre outros. O relatório também apela a medidas para atender às necessidades dos mais vulneráveis, como o fortalecimento do acesso à terra e os direitos à terra das mulheres e dos povos indígenas; Promover mudanças económicas estruturais que reforcem as oportunidades e elevem os níveis de vida e de rendimento; Incentivar uma despesa pública mais forte na agricultura e nas infra-estruturas rurais; Desenvolvimento de economias rurais não agrícolas; E promover mais parcerias para alcançar o desenvolvimento sustentável.

170214 UN Panel 3

Teresa Kotturan, SCN, moderadora e Guillermo Campuzano, CM, interveniente do painel.

O desemprego entre os jovens também foi mencionado pelo Secretário-Geral, que pediu políticas mais fortes para os jovens. Em termos de pessoas com deficiência, Guterres disse que ainda enfrentam marginalização e barreiras significativas à sua inclusão e participação na sociedade e no desenvolvimento sustentável. Ele reconheceu as pessoas com deficiência como beneficiárias e agentes de mudança em todas as áreas da parceria de desenvolvimento.

Muitas organizações não-governamentais estão apelando durante a Comissão para alicerces de proteção social. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), os alicerces de proteção social são conjuntos definidos nacionalmente de garantias básicas de segurança social que devem garantir, no mínimo, que ao longo do ciclo de vida, todos os necessitados tenham o acesso a cuidados de saúde essenciais e à segurança básica de renda que, em conjunto, assegura um acesso efectivo aos bens e serviços definidos como necessários a nível nacional.

170214 UN Panel 4

Interveniente do Painel Joseph Cornelius Donnelly, de Cáritas Internacional, que é o responsável do grupo de trabalho do conselho de segurança da ONG .

Views: 1.097